Greener Insights: Usinas Solares de Geração Centralizada

 

Greener Insights: Usinas Solares de Geração Centralizada

 

Um dos principais compromissos da Greener com o mercado é potencializar investimentos na cadeia solar fotovoltaica. Especificamente para a geração centralizada, são quatro frentes de atuação:

  • Suporte aos investidores e desenvolvedores de projeto para a estruturação de Power Purchase Agreements (PPA’s).
  • Intermediação de ativos fotovoltaicos e mitigação de riscos através de Due Diligence.
  • Assessoria e consultoria para todas as etapas do desenvolvimento de usinas fotovoltaicas, no mercado livre ou regulado.
  • Estudos de mercado personalizados e projeções, além de ferramentas digitais por assinatura, para monitoramento contínuo e avaliação de oportunidades.

Estudo Estratégico – Grandes Usinas Solares 2021 tem o objetivo de trazer insights para os players de diferentes segmentos da cadeia de empreendimentos fotovoltaicos de grande porte no Brasil.

O Estudo cobre aspectos importantes do mercado, incluindo projeções de crescimento para a fonte solar e as análises do time de especialistas da Greener. Além de fazer um panorama do andamento das usinas solares em operação, construção e desenvolvimento, com dados oficiais e de mercado, o Estudo apresenta um mapeamento de 8,4 GWp de contratos firmados no Mercado Livre.

Por meio de uma pesquisa com o mercado, foram levantadas características específicas de PPAs solares – PPA’s corporativos e de Autoprodução – como preços, prazos, modelos de negócio, perfil dos consumidores interessados e as principais tendências tecnológicas. Uma prévia desse conteúdo pode ser acessada nesse artigo em mais detalhes.

Destaca-se que a análise não só engloba o Mercado Livre (ACL – Ambiente de Contratação Livre), mas também o panorama histórico da expansão da fonte solar via leilões do Mercado Regulado (ACR – Ambiente de Contratação Regulada), oferecendo um balanço dos dados de contratação e evolução dos preços.

Seja no ACR ou ACL, sabe-se que, para desenvolver projetos no setor de energia elétrica, as questões regulatórias são estratégicas e andam lado a lado com a construção do modelo de negócio. Com o objetivo de aprofundar esse aspecto, o Estudo resume de forma didática as principais etapas regulatórias do desenvolvimento de usinas solares e incorpora análises de especialistas sobre recentes mudanças na regulamentação. São abordados temas como a fonte solar fotovoltaica no contexto de precificação horária, a aplicação de encargos nos diferentes tipos de comercialização no ACL, a eliminação dos subsídios para as fontes incentivadas e a visão do planejador para a expansão da energia solar no Brasil.

A relevante ampliação do volume de empreendimentos com início de suprimento entre 2022 e 2025 exigirá rápida preparação do setor, por conta de uma forte demanda por serviços de construção e logística, com especial atenção para oportunidades na cadeia de EPC, Engenharia, e Fabricação e Fornecimento de Equipamentos.

Um ponto de atenção recai sobre a disponibilidade dos equipamentos diante de elevada demanda. A elevação dos preços de módulos fotovoltaicos, serviços de logística internacional e a variação cambial deverão continuar pressionando o CAPEX e a precificação dos PPA’s solares ao longo de 2021, trazendo reflexos sobre o cronograma de implantação dos projetos.

Oportunidades na Cadeia de Fornecimento

O Estudo apresenta informações sobre a cadeia de fornecimento e tendências tecnológicas relevantes para garantir a competitividade de um projeto. Em sua versão completa, são disponibilizados mapeamentos dos principais fornecedores de equipamentos e o market-share de players de EPC, O&M e proprietários das usinas.

Consolidaram-se no mercado, por exemplo, os módulos fotovoltaicos bifaciais, que se tornaram a tecnologia padrão utilizada em grandes empreendimentos solares. A tecnologia está presente em 100% dos novos contratos mapeados (ACR e ACL) pela Greener em 2020. Em relação ao montante total contratado considerando os anos anteriores, o volume de módulos bifaciais (54,4%) já supera o volume de módulos monofaciais (44,4%).

Com relação aos inversores, o Estudo traz insights surpreendentes. A topologia string vem crescendo no mercado brasileiro de grandes usinas. Dos novos contratos mapeados pela Greener em 2020/2021, 66% utilizarão inversores string. Avalia-se que estas tecnologias têm ganhado mais espaço para projetos cada vez maiores e contribuído para maior eficiência OPEX/ CAPEX e uma operação mais modular e flexível.

Financiamento

Outro fator crítico de sucesso para uma usina fotovoltaica de grande porte é a sua estrutura de financiamento. Nesse quesito, bancos brasileiros de fomento, em especial o BNB e BNDES, ainda representam as principais linhas de financiamento dos empreendimentos solares de 2020/2021. Mais de 50% dos projetos para o ACR foram financiados por bancos de fomento, em especial pelo BNB. Contudo, novos instrumentos de financiamento com ênfase no mercado de capitais, como as Debêntures, estão entrando cada vez mais no radar dos empreendedores.

Por fim, o Estudo apresenta uma análise de caso de estruturação de PPA solar, mostrando o impacto das principais variáveis na viabilidade e retorno de investimento de uma usina fotovoltaica de grande porte. Um CAPEX eficiente e uma estrutura de capital otimizada possuem impacto direto na rentabilidade.

[Acesse aqui o estudo]

O que mais é possível encontrar na versão Premium do Estudo?

  • Projeções do mercado de geração centralizada solar fotovoltaica da Greener.
  • Market-share de Equipamentos, EPC, O&M e principais Project Owners.
  • Mapa de fornecedores dos empreendimentos em operação comercial.
  • Mapeamento de PPA’s solares e leilões no ACL.
  • Análise Financeira: Case Usina Solar no Mercado Livre
  • Análise de Risco com Simulação de Monte Carlo

Veja também: